História

História

Com mais de 130 anos de tradição, o antigo Pastifício Selmi expandiu na fabricação de produtos ao longo de sua história.

Investindo ano após ano em tecnologia de ponta e inovação até se tornar uma indústria alimentícia, a Selmi busca produzir alimentos com a máxima qualidade do mercado. Conheça todas as instalações fabris e o processamento do trigo até a chegada ao seu prato, combinando o melhor sabor com a tradição em levar um produto elaborado com o máximo de primor às famílias brasileiras. A linha de produtos Selmi conta com biscoitos de todos os tipos, variadas massas, bolos prontos e misturas para bolo, lámen, farinhas, azeite e queijo ralado.

1887

A primeira fábrica.

Em 16 de agosto de 1887, com apenas 25 anos, Adolpho Selmi, imigrante italiano, desembarcou no Porto de Santos (SP) e, com o sonho de difundir a tradição gastronômica de seu país, fundou uma pequena fábrica de macarrão em Campinas, cidade que escolheu. Assim foi criada a Fábrica de Massas Adolpho Selmi, com produção diária que cabia em uma cesta, comercializada pelas ruas da cidade, tendo como principais clientes seus conterrâneos, que se deliciavam com as massas frescas que lembravam aromas e sabores da terra-mãe.

Macarrão Galo.

No fim do século XIX, Adolpho Selmi contraiu sociedade com seu conterrâneo Hugo Gallo, nome que deu origem à marca de macarrão. A princípio, o preparo das massas era feito na prensa manual. Após essa etapa, as massas passaram a ser produzidas por marombas e também por tração animal. Anos depois, a produção era feita por meio de uma grande caldeira que alimentava um locomóvel (máquina a vapor usada para movimentar cargas pesadas).

E, por fim, a eletricidade impulsionou a produção, que ganhou força com o uso de masseiras elétricas importadas da Itália.

1911

Com a chegada das instalações da rede elétrica em Campinas, foi possível o desenvolvimento das indústrias da região, e com a Selmi não foi diferente. A produção foi expandida com a importação italiana de masseiras elétricas.

1921

Da Itália para o Brasil. 

Com residência definitiva no Brasil, em 1921 Adolpho Selmi encerrou seus negócios na Itália e reassumiu definitivamente a direção da fábrica, ao lado de seus filhos mais velhos e do seu primogênito, Comendador Aladino, que conduziu o Pastifício nos períodos de ausência do pai. Nessa época, o macarrão Galo já era presença quase obrigatória nas mesas dos imigrantes italianos que continuavam a chegar ao país.

O cenário favoreceu o crescimento da empresa e Aladino Selmi, com uma visão de mercado ainda mais promissora, profissionalizou-se em contabilidade.

1931

O macarrão de Sêmola.

Em 1931, a fábrica mudou de endereço para a rua Francisco Teodoro. Três anos depois (1934), o primeiro macarrão de sêmola foi lançado pela Selmi. Os anos passaram, Aladino continuou à frente da empresa e mais tarde contou com a colaboração de seus filhos Renato, Luciana e Regina para a administração da empresa.

1934

A fábrica muda de endereço e conta com a colaboração dos filhos de Aladino. Além disso, é lançado um novo produto: o macarrão de sêmola.

1939

Início da era Aladino.

Em 1939, para aprimorar a produção, novas máquinas foram importadas da Itália, fazendo com que o consumo extrapolasse a região de Campinas, consolidando a empresa no mercado regional. Neste cenário, Aladino Selmi se fortaleceu economicamente, comprou a parte do pai e dos irmãos e tornou-se proprietário da empresa em sociedade com seu filho Renato Selmi, que aos 18 anos já conhecia todo o processo de fabricação, graças ao antigo cargo de auxiliar de produção.

1956

Com a nova razão social Pastifício Selmi S/A, os empresários dão início à construção de um novo prédio, projetado para abrigar a produção, a administração e um moinho.

1962

Pastifício Selmi S/A.

Com espírito visionário, Aladino Selmi fundou o Banco Cidade de Campinas e, por meio da venda de ações, comprou um moinho para beneficiar os grãos de trigo. O novo investimento possibilitou a expansão da empresa, maior qualidade e agilidade à produção e, em 1956, com espaço limitado, a nova sede da fábrica começou a ser construída na avenida Mirandópolis, em Campinas, mesmo ano em que foi constituída a nova razão social: Pastifício Selmi S/A, que prevalece até os dias de hoje. Em 1962, a empresa passou a funcionar no novo endereço e a aquisição do moinho possibilitou a produção de toda a farinha necessária para a produção de massas.

Nova unidade fabril: Londrina.

Ainda na década de 1960, uma nova unidade fabril foi inaugurada em Londrina/PR, com localização estratégica para atender à demanda e facilitar a distribuição na região Sul.

A unidade foi direcionada exclusivamente à fabricação de massas como espaguete, ninho, pena e outros cortes.

1970

Renata, a mais querida do Brasil.

Em 1970 foi lançada a farinha de trigo Renata, “a mais querida do Brasil”, nome escolhido por Renato Selmi para homenagear a filha. Anos antes, Ulysses Guimarães (então Ministro da Indústria e Comércio) declarou que o Pastifício Selmi estava entre as empresas de primeira linha do país.

Os reconhecimentos continuaram e, na cidade de Pistoia, na Toscana, o Pastifício Selmi recebeu medalha de ouro e diploma de honra ao mérito em uma exposição internacional.

1980

Uma nova direção.

Em 1980, com a direção da empresa assumida por Renato Selmi e seus filhos, experiência, competência e empreendedorismo tornaram-se as marcas da nova gestão. Nesta época, além de Campinas e Londrina, as equipes atuavam também nos mercados de São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e interior de São Paulo.
Nove anos depois, o Pastifício Selmi recebeu outro reconhecimento internacional pela excelência de seus produtos: troféu no XXII Prêmio Internacional de Alimentos e Bebidas, em Dusseldorf, Alemanha.

1990

O primeiro macarrão de grano duro fabricado no país.

Na década de 1990, a importação de massa de grano duro começou a ganhar fôlego dia após dia e, para competir com marcas estrangeiras, o Grupo Selmi fez grandes investimentos nas fábricas de Campinas e Londrina. Foram lançados Renata Tricolori, para os consumidores de produtos naturais, e Renata Superiore, o primeiro macarrão de grano duro fabricado no Brasil.

No fim do século, o Grupo ostentou o primeiro lugar em vendas de massas no Brasil e, em 2000, inaugurou o complexo fabril de Sumaré, que nove anos depois abrigou a nova fábrica de biscoitos. Foi nesta unidade que se iniciou a fabricação do bolo pronto Renata e do bolinho Renata em porção individual.

2000

Passando a funcionar integralmente em novo endereço, a moderna linha de produção de espaguete é instalada com a capacidade de fabricar 4,5 toneladas por hora. Surge, também, o novo Bolo Renata, para ampliar a gama de produtos Selmi.

2005

Nova diretoria e novas conquistas.

Em 2005, após o falecimento de Renato Selmi, o empresário Belarmino da Ascenção Marta Júnior uniu-se a Ricardo Selmi. A nova diretoria teve como missão migrar a empresa de pastifício para produção de alimentos, lançando novas categorias como biscoitos, bolos, bolinhos e outros produtos.

2007

A Farinha de Trigo Renata é eleita a melhor do mercado pela Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (PROTESTE).

2009

É lançado o complexo de fabricação de biscoitos no complexo fabril de Sumaré, acompanhando as inovações do setor. Sucessor de Renato Selmi, o filho Ricardo assume a presidência do Grupo.

2014

Em 2014 foi inaugurada a unidade de Rolândia, dirigida exclusivamente à produção de massas.

2018

130 anos de sucesso.

Com todas essas conquistas, sempre lançando novos produtos e aumentando o leque de ofertas ao consumidor de acordo com a evolução do mercado, a Selmi chega a 130 anos. Com o vigor e a sabedoria de quem conhece – e muito – a arte de transformar o trigo em produtos que agradam paladares dos mais simples aos mais sofisticados, vive em constante evolução, dialogando com seus consumidores e mostrando que é um grupo tradicional, porém dinâmico, que evolui e acompanha novas tendências, sendo assim grande referência no setor alimentício.